13 de jun de 2009

Novos Horizontes

"Lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos descriminem; lutar sempre pelas diferenças sempre que a igualdade nos descaracterize" (Boaventura de Souza Santos). Para professores que trabalham no Ensino Fundamental da Rede Pública de Ensino, é comum deparar-se com situações em que é necessário uma interferênciaimediata e firme do professor, para que não haja exclusão dos alunos oriundos de localidades diferentes do contexto onde a escola está inserida isto porque, as crianças ao ouvirem determinadas palavras, que não se enquadramem seus padrões linguisticos, repetem seguidamente: "Fulano não sabe falar". Este comentário é tão repetitivo que pode acarretar consequencias nefastas na sala de aula e na vida das crianças. Isso reporta ao pensamento de Jaime Pinsky (2001, p.2) que diz o seguinte:"várias facetas do preconceito se manifestam na escola com mais frequencia do que gostariamos de admitir..." Por este motivo os professores, principalmente os de língua portuguesa, precisam com urgencia rever os métodos ainda tradicionais de ensinar a língua. O GESTAR II vem nos ajudar a abrirmos novos horizontes em relação ao nosso modo de pensar e agir língua portuguesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário